Parede de Escalada

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Parede de Escalada

Mensagem por Big boss em Dom Maio 17, 2015 7:25 pm

Relembrando a primeira mensagem :


Parede de Escalada


Uma grande estrutura, alcançando 10 metros, a Parede de Escalada foi modificada pelos filhos de Hefesto para sempre estar em mudança. Em algumas vezes poderá surgir obstáculos como lavas, outras vezes jorradas de areia, mas embora os fatores tendem a se repetir, jamais a ordem.

I. Post's com menos de dez linhas serão desconsiderados.
II. Cuidado com a gramática, pois está valerá boa parte de seus pontos.
III. O máximo de xp's conquistados nessa área é de 200.

avatar
Big boss

Mensagens : 204
Data de inscrição : 11/05/2015

http://rpgargentum.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Parede de Escalada

Mensagem por Convidado em Sab Jan 23, 2016 5:34 am

Avaliação


Olá, Lara. Essa é a primeira vez que avalio você, então boa sorte.

Esse seu treino na parede de escalada foi bem curto e rápido, porém, você foi direto ao foco, diferente da maioria que faz uma introdução grande e desnecessária. O seu nível também dificulta criar um texto razoável no tamanho, que seja um desafio ao personagem e que não canse a leitura, embora você tenha alcançado os dois últimos requisitos.
Eu fui capaz de encontrar nenhum erro de ortografia, digo, quase nenhum. Logo no início do primeiro parágrafo, você escreveu "Prepando-me". Acredito que pensava em "Preparando-me".
Meu conselho é revisar mais vezes os seus textos e daqui para frente criar uma meta de sempre escrever um pouco mais e ainda manter a qualidade.

-10 de HP
+90 de XP

Atualizado por dark side

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Ash C. Pearson em Qui Jan 28, 2016 11:14 pm


Got challenged, maybe
I can't  

Maddie trombadinha há algum tempo me desafiou a novamente escalar a maldita parede que quase acabara com a minha vida, bem legal ter uns amigos desses. Mas, de qualquer forma, como bom suicida que eu sou, aceitei o desafio que quase soara como aposta para mim. Marcamos o dia e a hora para que pudéssemos ir juntos até o local e enfim, poderia mostrar pra ela que eu não morreria ou me machucaria tanto daquela vez.

Na verdade, eu até queria. Foi um bom aprendizado o que me aconteceu da primeira vez. Claro que dessa vez, tentaria ao máximo manter as duas mãos a salvo, claro que possivelmente não conseguiria, mas tentaria o máximo possível.

Quando cheguei à parede, Maddie e seu sorriso sádico já estavam lá, apenas esperando-me para começar. Nem me dei ao trabalho de ir falar com ela, sabia que deveria apenas subir e sobreviver. Caminhei até o instrutor que estava lá e coloquei os equipamentos de segurança, sentindo um incômodo novamente e momentos depois avaliei o obstáculo enorme em minha frente. Já o conhecia, então seria tudo bem, certo?

Errado. Já deveria ter previsto que não daria certo, nada daquilo daria. Como sempre, escalar a base era fácil, um mundo colorido e sonhador, divertido. Mas, conforme eu avançava as coisas pioravam. Como sempre, se tratando de mim.

Eu não estava sozinho, do outro lado, outra pessoa escalava, mas não me importaria com ele no momento, só estava tentando subir a parede e vencer Madison, that’s all. Aos poucos, alguns desafios conhecidos meus chegavam, mas com a prática conseguia contorna-los, um pouco pelo menos.  Uma das rochas lançadas pela parede, caiu sobre meu pé esquerdo, mas como não estava tão rápida, não chegou a quebra-lo. Eu sentia-o doer, mas nada que me impedisse de continuar, às vezes, com uma pequena ardência quando apoiava meu corpo nele.

Eu subi os primeiros dois metros rapidamente. Porém, uma leve tontura perpassou meu corpo após a pedra bater em meu pé, então a segunda rocha atingiu o mesmo pé com um pouco mais de força, devido ao meu descuido e eu ouvi um rangido, talvez estivesse indo para meu adversário. Enganado. O apoio do meu pé direito saíra e eu quase bati com a cabeça na parede, por sorte, consegui firmá-lo rapidamente. Por azar, torcera meu indicador e com o impacto nos apoios superiores, minha unha entrou na carne, fazendo-me suspirar de dor.

Mesmo assim, subi mais alguns metros, já contabilizando seis metros de distância da base, novamente lava começou a escorrer de um dos lados da parede. Aquilo me deixou levemente preocupado, pois da última vez quase morri queimado. Comecei a subir mais rapidamente, enfrentando dificuldades, pois os apoios começaram a desaparecer, vez ou outra, fazendo-me bater a cabeça na parede de escalada.  Podia até ouvir algumas risadinhas vindas de Maddie.

Então, um pouco depois do fogo, novas rochas começaram a descer e eu conseguia me esquivar quase perfeitamente. Já contava oito metros e eu estava quase lá. Distraído com as rochas, não notei uma abertura e por ela foi expelida areia. Meus olhos, boca e nariz encheram-se com o material e eu engasguei com aquilo. Por isso, uma das rochas passou sobre minha mão esquerda, terminando de quebrar meu dedo e quebrando mais dois. Aquilo era muito perigoso.

Enquanto me arrastava, ofegante, suado e com a areia ainda em meus olhos e boca, o que me dificultava muito poder enxergar ou raciocinar direito, o sino soou. Significava que o carinha que subia comigo conseguiu completar o desafio dele. Bom pra ele. Continuei a escalar, mais lentamente e com mais cuidado. Piscava excessivamente, para tentar retirar a areia dos meus olhos e posteriormente, já próximo de tocar o sino, o apoio do pé esquerdo saiu completamente, fazendo-me novamente chocar contra a parede, meu ombro latejou devido ao baque.

A larva novamente começou a escorrer e a fumaça atrapalhava um pouco. Com o pouco de força que me restava, impulsionei-me para o lado, mas antes, ela levou meu tênis e por pouco não me queimou junto. O plástico derretido queimou-me o pé direito e a dor foi profunda, com certeza teria uma cicatriz bem feia, pois o que restava ainda estava quente sobre minha pele. Sem mais desafios, consegui finalmente completar o percurso. Toquei o sino e logo em seguida, sentei-me no topo. Minhas mãos tremiam e eu arfava muito. Não sentia o pé esquerdo e muito menos os dedos da mão esquerda. Lentamente, arrastei-me para fora e então, através dos cabos de segurança, joguei-me para o chão, sendo aparado por eles. Sorri para Maddie, mostrando o dedo do meio para ela. – Leve-me para a enfermaria. – Disse, sem deixar o sorriso vitorioso sair da minha face.



I don’t care, I see it the way I want to Yeah I understood and accepted it, it’s not complicated, from the start it was white If it’s changed, then what?



Love is the only way
When you feel like there's no way out
avatar
Ash C. Pearson

Mensagens : 8
Data de inscrição : 06/06/2015
Idade : 19
Localização : Perdido

Ficha de Personagem
Nível: 3
Health Points (HP):
70/120  (70/120)
Mana Points (MP):
120/120  (120/120)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Convidado em Sex Jan 29, 2016 11:50 pm

Avaliação


Olá, Ash. Mais uma vez estou avaliando algo escrito por você, não? Já sabe como funciona, por isso serei mais breve.
Dessa vez eu tenho nada a elogiar, embora você tenha seguido um pouco o meu conselho de criar desafios a si mesmo, houve exagero que, obviamente, é desnecessário.
Com relação aos pontos negativos, você progrediu. Vejamos, primeiro eu encontrei muitas palavras repetidas, algumas vezes no mesmo parágrafo e outras na mesma frase. Somente isso descontaria uma quantidade grande de experiência recebida, pois eu havia recomendado utilizar mais sinônimos na última avaliação e não seguir o conselho significa que pouca atenção está sendo dada às minhas avaliações.
Algo ruim e novo em seu texto é a falta de sentido. Um pé machucado eu tolerei, pois estava cheio de adrenalina por conta do desafio imposto pela Madison, entretanto, dois ou três dedos quebrados e adicionado a um pé queimado por lava é algo que não posso tolerar por causa de seu nível. Um dedo quebrado seria o suficiente para fazê-lo cair, já que não seria mais capaz de se segurar com firmeza em uma mão. Espero que isso não se repita.
Também encontrei um erro ortográfico aqui:
“A larva novamente começou a escorrer e a fumaça atrapalhava um pouco” — você quis dizer lava.
Uma dica, nunca use “pra” fora de diálogos ou pensamentos. Isso só não prejudica tanto esse treino em específico por ser narrado em primeira pessoa.
Bem, acho que entendeu o que é preciso ser feito, corrigir os erros e se esforçar mais.

-50 de HP
30 XP
Atualizado por dark side


Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Blair Skyer Evans em Ter Fev 02, 2016 2:00 pm


it's called Black Magic

Com o lábio inferior preso aos dentes, Blair ergueu sua cabeça para ter o primeiro vislumbre do desafio proporcionado pela Parede de Escalada.
Nunca fui acostumada ou introduzida a esportes como esse, já que em casa sua diversão sempre se limitara ao piano e os treinos regulares de balé, no entanto, acreditava que nada poderia ser pior do que passar horas por dia em sapatilhas apertadas e na ponta dos pés.
Blair ouviu atentamente as instruções que lhe foram fornecidas antes de prender o equipamento ao redor do seu corpo esguio, verificando um par de vezes se estava tudo firmemente preso para apenas depois se aproximar da parede e colocar a mão em um dos suportes maiores que ela, dando um primeiro impulso para cima, o suficiente para posicionar o seu pé na primeira pedra que encontrou.
Um suspiro aliviado escapou pelos seus lábios quando ela notou que permanecia suspensa no ar. Alguns colegas tinham lhe dito que a Parede oferecia os mais diferentes desafios que não poderiam nem ser previstos.
Evitando pensar muito nesse detalhe, Blair esticou a mão para o segundo suporte. Não apoiou-se totalmente nele a princípio, preferindo verificar se ele suportaria seu peso antes de continuar sua subida. Quando certificou-se de que não havia perigo, dobrou os joelhos para erguer a perna o máximo que pôde, até se encaixar em uma pedra mais alta.
Sua subida permaneceu assim, com a garota desviando-se cada vez mais para a esquerda por dois metros antes do primeiro desafio surgir.
O suporte que sustentava sua mão continuava no lugar e não apresentava nenhum risco, então a semideusa procurou uma pedra onde pudesse colocar o seu pé e foi quando, em uma tentativa apressada de continuar sua subida, que a estrutura escolhida simplesmente desapareceu.
Seu corpo ficou suspenso no ar por longos segundos, enquanto Blair sentia seus ombros protestaram, uma vez que eles eram responsáveis por todo o peso do seu corpo, isso até ela encontrar outra pedra em que pudesse estagnar-se até se estabelecer novamente.
A essa altura sua respiração vinha entre arfadas irregulares e a ideia de cair já estava fixa em sua mente, soltar-se seria um grande alívio, porém não era uma opção. Com todos os músculos do seu corpo protestando, Blair ergueu as mãos para buscar um novo sustento em seu caminho ao topo, somente para sentir a areia sendo borrifada em seu rosto.
Em reflexo, ela levou as mãos aos olhos e acabou perdendo o equilíbrio, indo direto ao chão.
Sua primeira tentativa havia sido uma grande falha, sem mencionar a vergonha.
avatar
Blair Skyer Evans

Mensagens : 15
Data de inscrição : 01/02/2016

Ficha de Personagem
Nível: 10
Health Points (HP):
130/140  (130/140)
Mana Points (MP):
105/140  (105/140)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Ártemis em Ter Fev 02, 2016 4:56 pm

➟ Avaliação


Novamente, esperava mais detalhes, e um texto maior, entretanto, como sempre, ainda me surpreende com o modo que escreve, deixando-me sempre muito envolvida na leitura.
Ganhos: 190xp's
Pernas: -10HP, -10MP

Atualizada!
A&A RPG 2015-2016™


if you wanna find love
then you know where the city is
avatar
Ártemis

Mensagens : 137
Data de inscrição : 11/05/2015

Ficha de Personagem
Nível:
Health Points (HP):
99999/99999  (99999/99999)
Mana Points (MP):
99999/99999  (99999/99999)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Madison Köhler Schmittel em Qua Fev 03, 2016 7:41 pm


THE CLIMB
are you kidding me?
—  Não me diga que eu vou ter que subir essa parede do demônio mais uma vez...

Encarou Penny, o pedido claro em seus olhos era simples: Ser liberada daquela tortura para voltar a dormir. Mas ao que parecia, nada faria a prole de Quione mudar de ideia. Nos últimos dias, Penny estava empenhada em arrastar Madison para o máximo de treinos possíveis. Madison até iria de bom grado, se a primeira escolha da outra não fosse a parede de escalada.

— Tudo bem — Rosnou, sucumbindo às vontades da morena.

Lentamente, tentando prolongar suas dores o quando fosse possível, Mad se direcionou para a parte onde disponibilizavam os equipamentos de proteção e com o auxílio de um dos instrutores foi envolvida em todo o tipo de segurança possível. Apesar disso, a loira ainda temia que todo aquele equipamento não fosse o suficiente para protegê-la da lava e das pedras.

Se posicionou na frente da parede de escalada e apoiou o pé direito na base, usando as pedras como apoio para começar a subir. Tinha acabado de dar impulso para cima quando sentiu vontade de largar tudo e descer novamente.

— Nível Sete — A instrutora mais próxima avisou em alto e bom som.

Isso foi o suficiente para que um arrepio percorresse todo o corpo de Madison, o suor escorria pela sua testa e por um momento, ela engoliu em seco. Usou toda a sua força de vontade para continuar subindo, às vezes a garota costumava ficar em dúvida se não era masoquista, já que sempre se aceitava desafios que sabia que iriam fazê-la sentir dor.

O nível 7 era um dos piores para uma pessoa que não estava acostumada a subir a parede. E foi por isso que Madison não se deu muito bem por todo o percurso que fez.

Ela não tinha chegado muito longe quando as pedras começaram a cair. Eram tantas que a semideusa quase não conseguiu se livrar delas. Sua estratégia ali fora passar para o lado esquerdo quando as rochas caíam do lado direito e vice-versa. O problema era que os pedregulhos caíam mais rápido do que a garota era capaz de suportar, fazendo com que algumas das vezes não fosse rápida o suficiente para se salvar.

Quando as pedras pararam de cair, a menina se encontrava com vários hematomas roxos pelos braços. E tinha quase certeza que havia um corte em sua testa também. Segurou um dos apoios acima de si e voltou a se impulsionar para cima, ignorando as dores que agora estavam espalhadas por vários pontos de seu corpo. Ela não costumava desistir fácil e por isso, não iria ceder.

— Se eu morrer nessa desgraça irei culpar a Penny pelo resto da vida dela — Murmurou, para si mesma.

Continuou subindo sem nenhum problema. Até a parede começar a tremer furiosamente, sem dó e nem piedade. Gritos escaparam pelos lábios da loira e ao longe, ela podia ouvir as gargalhadas daqueles se divertiam com o seu sofrimento. Agarrou-se nos apoios com toda a força que restava em suas mãos e começou a praguejar todos os nomes possíveis e até a última geração de Penny.

O tremor não parava e a impaciência da garota, somado ao desespero de terminar logo com aquilo só a deixavam mais irritada. Se segurar somente nas pedras já não era mais suficiente e isso fez com que ela fosse obrigada a tentar continuar subindo.

Assim que tentou se mexer, no intuito de disparar parede acima, os pés escorregaram das pedras em que estavam apoiadas. Mais gritos foram dados enquanto Madison ficava suspensa no ar, seu peso sendo sustentando apenas por uma de suas mãos, que continuava segurando uma das pedras de apoio como se sua vida dependesse daquilo.

— É agora que eu morro — Sussurrou, se mexendo desesperadamente para voltar ao lugar.

Conseguiu se estabilizar minutos depois, voltando a apoiar seus pés onde era possível e quase abraçando a parede ao notar que estava novamente segura. Ou pelo menos, era isso o que ela achava estar.

Lava começou a despencar do topo da parede. Dessa vez, os gritos foram tão altos que uma pequena ardência se instalou na garganta da semideusa. Para desviar dos jatos foi preciso agilidade, pelos momentos que se seguiram, Madison se empenhou em se balançar para os lados que não haviam lava e se impulsionar para cima o mais rápido possível. É claro que não foi rápida o bastante para desviar de tudo e acabou com uma queimadura em um de seus braços.

Depois disso, o objetivo da garota se tornou escalar mais rápido. As pedras de apoio eram agarradas com força e os pés se apoiavam tão ágil quanto era possível. As dores se tornavam cada vez piores e nada irritava mais a loira do que a queimadura em seu braço, essa ardia ao ponto de fazer lágrimas se formaram nos olhos dela.

E quando pensou que nada poderia ficar pior, quando já estava quase no final da parede, um dos apoios que a ajudavam a não despencar soltou. Um rosnado passou pelos lábios rosados e por um momento, seus olhos focaram o que estava abaixo de si. O foco de tudo foi se perdendo e a visão de Madison ficou turva. Engoliu em seco, voltando a olhar para cima e voltou a subir pela parede tentando ignorar a maldita distância entre ela e o chão.

Até que a parede começou a girar.

— Porra! — Exclamou, já cansada de todo aquele inferno.

Segurou-se nas pedras e esperou que a parede parasse de girar, o que não demorou muito. E quando estava quase chegando ao topo, mais uma das pedras que usava como apoio se soltou. Foi forçada a deixar uma das mãos livres e com isso, a corda que a segurava balançou perigosamente. A mão que estava livre foi levantada para segurar em outra pedra e com o pouco de força que restava no corpo da garota, ela se empurrou para mais para cima.

— TERMINA LOGO ESSA ESCALADA — Alguém lá embaixo gritou.

Naquele momento, a vontade de Madison era encontrar a pessoa que tinha gritado e cortar a garganta dela para logo depois vender seus órgãos no mercado negro.

— CALA ESSA MALDITA BOCA! — Gritou de volta, sentindo uma vontade descomunal de socar alguém.

Terminou de escalar até o topo. Um pouco de lava foi jorrada nesse meio tempo, fazendo com que a menina chegasse à extremidade da parede pulando para fugir do perigo de ganhar outra queimadura. Deu uma parada para olhar o estado em que estava e um sorriso irônico se formou em seus lábios. Agora sim ela tinha certeza de que nunca iria voltar naquela parede novamente. Voltou para o chão através da corda e em poucos segundos, estava de novamente em terra firme.

Os equipamentos foram retirados de si e dali, ela foi direto para a enfermaria.



 MADISON KÖHLER SCHMITTEL
That’s people. We arrive, we consume what we need, then we leave.
avatar
Madison Köhler Schmittel

Mensagens : 53
Data de inscrição : 24/05/2015
Idade : 18
Localização : Me procura num GPS

Ficha de Personagem
Nível: 9
Health Points (HP):
155/180  (155/180)
Mana Points (MP):
150/180  (150/180)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Jason L. Parker em Sab Fev 06, 2016 1:28 pm

They say that time's...
supposed to heal ya, but I ain't done much healing
Tudo estava ocorrendo tão rápido que parecia que, enquanto o corpo de Jason estava ali, imóvel, sobre a única cama no chalé de Éter, olhando fixamente para o teto, sua mente estava muito longe, mais precisamente muito antes do grande estopim de tudo aquilo: Sand City.

O garoto ainda tinha pesadelos com a cidade. Pesadelos horríveis. Todos os horrores que passara naquele lugar pareciam retornar, de uma só vez, para atormentá-lo durante cada noite de sono. Tal situação muitas vezes acabava por fazê-lo ter medo de encostar a cabeça no travesseiro e fechar os olhos, pois sabia que eles retornariam. Claro, todos os meio-sangues tinham pesadelos, mas aquilo era diferente. Diferente de uma forma que o semideus simplesmente não conseguia explicar.

Depois daquilo, muita coisa tinha acontecido, em um ritmo quase impossível de acompanhar. O desaparecimento dos deuses, o comando do acampamento.... Este último, aliás, estava sendo mais cansativo do que ele já mais imaginou que fosse. Chegava a desejar voltar a ser apenas uma criança, mas não podia. E também não podia simplesmente chegar e desistir de tudo. Tinha responsabilidades a cumprir. E o pior: praticamente não tinha ninguém para dividir tudo aquilo. Sua mãe continuava desaparecida e o filho de Éter sabia que, sem ajuda divina, nunca iria encontrá-la. As únicas outras pessoas com quem podia conversar não estavam numa situação muito melhor, já que também eram semideuses e estavam passando por tudo aquilo. Na verdade, lutava muito contra a onda de pessimismo, que parecia tê-lo atingido em cheio, para que não começasse a pensar que a mãe esteva realmente morta.

Estava daquele jeito há aproximadamente uma hora, quando acordou. Provavelmente o relógio indicava algo em torno de 8 horas da manhã. Jason sabia o que deveria fazer. Algo que poderia tanto ajudá-lo a esquecer aqueles pensamentos quanto seria extremamente útil no meio de toda aquela situação: treinar.

Se trocou rapidamente, vestido os jeans e a blusa do acampamento de sempre. Pensou em passar pelo refeitório, mas só de pensar em comida já sentia vontade de vomitar, decidindo, por fim, seguir direto à parede de escalada. Sim, ele sabia que poderia desmaiar durante a subida, mas não ligou muito. Por que escolhera aquele lugar para ir? Simplesmente imaginou que as arenas estivassem um pouco mais lotadas, e não estava com muita vontade de socializar.

[...]

Ao chegar em seu destino, contemplou a enorme extensão da parede. Pedras, lava e outros obstáculos pareciam surgir magicamente a cada momento, atrapalhando a vida dos campistas. Aquilo lembrava muito dos seus primeiros dias lá. Na verdade, fazia muito tempo que o garoto não treinava de verdade, já que, de uns meses atrás para aquele dia, estava mais focado em missões.

Deixando-se levar pelos pensamentos, quase não percebeu quando chegou na sua vez de encarar o desafio. Da última vez que estivera ali, só enfrentara algumas pedras soltas e inclinações, então decidiu aumentar o nível, adicionando o que quer que representasse a “lava” – realmente esperava que não fosse de verdade – e uma maior inclinação no final, além das pedras se tornarem mais “traiçoeiras”.

Colocou os equipamentos de segurança, respirou fundo, e começou sua subida. Seria ótimo se toda a extensão da parede fossem que nem aqueles primeiros metros, mas logo começou a reparar algumas pedras soltas com mais frequência à medida que subia.  

Depois de pouquíssimo tempo de subida, o garoto se apoiou em uma pedra solta e quase caiu, mas conseguiu transferir o peso para a outra perna e se equilibrar, não acontecendo nada de grave, mas acabou perdendo a atenção e não percebeu que um fio de lava começava a descer em direção à sua mão. Conseguiu desviar, mas não a tempo de ficar ileso, tendo queimado as pontas de dois dedos. Praguejou baixinho, mas decidiu continuar, depois iria à enfermaria.

Subiu mais um pouco, percebendo que estava escorregando com mais frequência e passando a prestar mais atenção ainda nas rochas nas quais pisava. Em um dado momento, não conseguiu impedir que os mesmos pensamentos da manhã invadissem novamente sua cabeça. Aqui lhe tirou a atenção e o fez perder o equilíbrio, tento que dar um pulo para agarrar outra pedra e acabando por, devido à inclinação, por chocar o abdômen contra uma rocha, machucando-se, apesar de não perceber nenhum sangue. O instrutor perguntou se o filho de Éter queria descer, mas recusou. Precisava, de qualquer modo, terminar seu percurso.

Notou que as palmas das mãos estavam começando a arder por conta da aspereza das pedras. Já estava na metade do percurso quando mais leva começou a descer, dessa vez em maior quantidade que da anterior, mas estava atento, tendo conseguido se locomover para o lado e evitar de ser queimado. Logo depois, porém, pisou em uma pedra solta e quase caiu, tendo ficado suspenso apenas por uma rocha que segurava com as duas mãos, até conseguir apoiar os pés.

A distância entre cada apoio estava ficando maior, obrigando-o a esticar os membros para alcançá-los. Poderia pular de felicidade quando viu o topo da parede tão perto, mas isso faria com que caísse. Apesar disso, quase não conseguiu alcançar o destino, sendo preciso que ele pulasse e rolasse para finalizar o percurso (mais tarde aquilo o daria uma forte dor no pescoço).

Desceram-no de lá e os equipamentos foram retirados. Jason estava dolorido e queimado, resolvendo seguir até a enfermaria. Preferia enfrentar as três fúrias que subir aquele negócio, apesar de saber que teria que voltar, já que, numa missão de verdade, já estaria morto.

avatar
Jason L. Parker

Mensagens : 51
Data de inscrição : 07/07/2015

Ficha de Personagem
Nível: 19
Health Points (HP):
230/280  (230/280)
Mana Points (MP):
230/280  (230/280)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Psiquê em Sab Fev 06, 2016 2:27 pm



AVALIAÇÃO
Madison Köhler Schmittel
Gostei muito do seu treino. Não achei nenhum grande erro e o texto está bem fluído. Parabéns!
• Recompensas •
+180XP
- 15 HP (Queimaduras e Machucados)
- 20 MP (Cansaço)

Atualizado


Psiquê
Do not go gentle into that good night, Old age should burn and rave at close of day; Rage, rage against the dying of the light. Though wise men at their end know dark is right, Because their words had forked no lightning they Do not go gentle into that good night.
avatar
Psiquê

Mensagens : 53
Data de inscrição : 29/07/2015

Ficha de Personagem
Nível:
Health Points (HP):
999999/999999  (999999/999999)
Mana Points (MP):
999999/999999  (999999/999999)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Convidado em Dom Fev 07, 2016 12:00 am

Avaliação


Olá, Jason. Já nos conhecemos, então serei breve.
Encontrei nenhum erro em seu texto, foi muito coerente e a leitura dele ficou muito fluída. Continue sempre assim. Parabéns.

200 XP
-50 de HP

Atualizado por dark side


Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Parede de Escalada

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum